Confira a crítica do filme ‘Bloodshot’

Bloodshot

Bloodshot é o novo filme de Vin Diesel (Velozes e Furiosos) baseado em uma HQ da Valiant Comics, que promete muita pancadaria, sangue e ação. O filme de super-herói estreia hoje nos cinemas de todo o Brasil.

A Academia do Cinema conferiu o filme em uma cabine de cinema recentemente e traz para você o que achamos do novo filme do ator.

Sinopse e enredo do filme Bloodshot

Vin Diesel protagoniza “Bloodshot” na pele de Ray Garrison, um soldado recentemente morto em combate e ressuscitado como o super-humano da empresa RST. Com um exército de nanotecnologia nas suas veias e com poderes especiais, como o de regeneração e a capacidade de se metamorfosear, Ray é uma força imparável. Então, ao recuperar sua memória, descobre que sua esposa foi assassinada e parte em busca de vingança contra aqueles que mataram sua família.

Mas, em uma reviravolta logo descobrimos que o RST não é o salvador e sim o vilão da história. Ao apagar e manipular diversas vezes a memória de Ray fazendo com que ele mate várias pessoas, o personagem de Vin Diesel vive um ciclo vicioso de raiva e vingança.

Quando finalmente percebe o que acontece com ele, se torna obcecado em descobrir sua origem e se vingar das pessoas que arruinaram sua vida. 

A crítica

Bloodshoot é um filme genérico de ação sem clímax, sem emoção e com personagens rasos ao ponto de não criarmos empatia por nenhum deles. Para quem não conhece as histórias em quadrinhos e vê o filme acaba por não entender o propósito da RST.

O roteiro escrito por Eric Heisserer (Bird Box) e Jeff Wadlow (Kick Ass 2) e dirigido pelo estreante Dave Wilson confunde dinamismo com pressa e deixa o espectador confuso em algumas situações, principalmente nas cenas de luta e ação.

A reviravolta da trama é até interessante, mas ocorre tão rápido que o espectador não se importa ou é pego de surpresa. O fato de o protagonista não poder ser destruído atrapalha a narrativa do filme, já que em uma cena de luta é bem previsível que ele sempre ganhe.

O apelo visual é bem convincente, pois os efeitos visuais não ficam atrás dos filmes do universo Marvel e da DC. Isso pode ser visto em uma luta dentro do túnel criando uma atmosfera de nervosismo e suspense. Porém, é praticamente a única coisa que salva no longa.

Confira a crítica do filme 'Bloodshot'
Foto: Divulgação/Columbia Pictures

Os personagens e elenco

O elenco faz um trabalho razoável dentro do que o roteiro permite. Vin Diesel não convence como super-herói. Parece que estamos vendo mais um de seus filmes da franquia Velozes e Furiosos.

O Dr. Emil Harting (Guy Pearce) é apenas um cientista vilão com uma personalidade fraca, e não sabemos o motivo que o levou a fazer o que fez. Eiza González, interpretando KT, é a personagem feminina que acompanha o herói, mas não tem um papel fundamental. Jimmy Dalton, personagem de Sam Heughan, é apenas o capanga da cena de ação principal. O destaque foi apenas para Lamorne Morris, interpretando o programador de TI Wigans, que funciona como alívio cômico na trama.

Conclusão de Bloodshot

O filme todo é um clichê hollywoodiano. Não chega a ser totalmente ruim, mas não tem nada de marcante. No entanto, pode ser divertido para quem busca por ação genérica.

Bloodshot é o primeiro filme de um proposto universo cinematográfico da Valiant. Fica a curiosidade para um segundo filme da franquia, que pode ser mais trabalhado do que o primeiro.

A série Elite chega com terceira temporada na Netflix, veja como será aqui.

Deixe uma resposta